quarta-feira, junho 11, 2008

Vida Plástica


Guarda as facas num saco plástico. Agora é que o bagulho vai ferver. Arruma as coisas na mala. Ultrapassa o carro da frente. Acelera. Buzina. São todos burros! Acelera. Ah, quer vencer-me pela força! “Perdeu. Oh babaca! Pára no vermelho. Avança com o vermelho! Vou comprar um LCD amanhã! Estou quase sem espaço na sala. Um maior. Zoom in. Zoom out. Já quase com duzentos canais. Multifunções. Pay- per- view! Get a discount and watch whatever you want. The world is in your hands. At a distance of a remote control. Control. Control. Control”. Ah, modernidade. Comodidade! Infernidade! Enfermidade! Ela é burra. De que vale ter a nossa, se passam a vida a falar das dos outros. Ele humilha-a. Passadeira. Verde para peões. Peões de estrada. Xadrez. Quem é o rei? Posso ser castelo? Carrinho para bebé. Está na hora de ter o seu. Ou um LCD. Ter um filho ou um LCD? Hum... Não é tudo a mesma coisa? O que precisamos para lá chegar? “Tac- tac” das solas gastas no passeio. Entra no quiosque. Três homens assustam-se! Coisa boa. Estavam a fazer! Tem cigarros?, ele pergunta. Mais um isqueiro. Do mais barato que tiver! É! Ela deu “uma emagrecida”. Ela era mais gordinha, não? Caramba! Folheia a revista. Quiosque. Ainda lá estamos! Folheia. Não era uma menina, esta mulher? Fêmea de branco, multiplicada nas páginas. Machos. Seres observadores. Folheiam. Olhar directo para a fêmea. Actriz de telenovela. Volta! Folheia! E o "New York Times" descortina a fórmula de sucesso da Globo. Depois do beijo! De jovem freira a posadora malandra, heim? Indecente mesmo! Plástico no lixo. Jardim maltrapilho. Lixo num vagão que poderia ser casa de alguém. Horas de malhar! Roça o corpo no vizinho de autocarro. Aqui até as malas são promíscuas. Liga o IPOD, Mp3, que pode já ser 4, 5? Ou o telemóvel. "Tac-Tac" metálico! Não fui educado para estes sons! Viagem solitária. E o mundo lá fora. Cá dentro! Os nossos ruídos são formatados. MPB. Rock. Punk. Indie. Sertanejo. Pop industrial. Electrónica. Dó, ré, mi, fá, soooolllll… sintetizado!"Baauuu!" Metálico, estridente… “Oh, baby, then we fell apart. We fell apart, like we´ve always done. Then they fell apart”… Pizzaria. Churraquinho na grelha. Tubos de escape. Dióxido…o de carbono! Lança-se búzios. Desfaz-se encantos! Lê-se mapa astral. Reiki. Massagem ayurvédica. Shiatsu. Massagem corporal. Pode ser com palavras? “Lift me up, Lift me up”. Entra no elevador. Não espera o sorriso. Ah, gratuito! Abre a porta do elevador. Espera. Terceiro, quarto, quinto. “Tchau, bom final de semana”! Porta, quarto. Quarto, sala. Sala, cozinha. Sala: “I´m exactaly where I want to be right now”. A mota acelera. Trac-Trac do escape! Ah… Lá fora. Aqui há janelas! Todas motas da cidade em sintonia de trac menor, sem tenor, e morreríamos pelo ruído! Para quê ter filhos assim, quando se pode ter um LCD, na sala sem espaço? E é: “he´s exactaly where he wants to be right now”! Nem demasiado cedo para a cama. Nem demasiado tarde para amanhã!

1 comentário:

joana vieira disse...

as cores desta foto estão absolutamente espantosas, eo enquadramento, e a luz... que foto perfeita...
beijinho!