quinta-feira, junho 05, 2008

Augusta

Uma das ruas mais famosas de São Paulo. Um mapa mundo da perdição; prostituição; cultura; multiculturalismo; boemia... A Rua Augusta. Ontem li este texto para a Lu e a Carolina... Ás vezes sento-me com elas numa esplanada dessa rua e, sem dúvida, que é um "achado" de personagens, no mínimo, irrepetíveis! O meu retrato escrito da Augusta...


Sai amanhã na locadora! Os anjos não têm sexo. A Augusta sim! O sol é masculino. A lua é feminina. Perguntem aos outros que eles dizem: a lua e o sol não têm sexo! É tudo uma questão de língua; ou lingüística. Dicionário sutra? E o céu não tem nome. A terra sim! Só tua! Deste homem. Ou deste caixote de lixo. O chão é cinzento. “Mary Jane não mora mais aqui” Está escrito na passadeira. Ele ainda espera por ti. O homem é escritor. Escreve sobre a “Augusta”. O lugar do pecado. Ou da salvação. Mais perto do Inferno. Que leva os homens ao Paraíso. Ao sexo; ao orgasmo; à ilusão solitária de que a vida é um gozo só!
Tem trocado? Buzinas. Néons piscantes. Ferir os olhos sem olhar. Escurecidos. Aqui todos os homens não têm rosto. Ou dois! Ou são mulheres que querem ser homens; ou homens que são mulheres; ou ambas as coisas, ou o Purgatório!Ou nada quando fodem com as neuroses; recalcamentos; exuberâncias; excentricidades como gritos de alma. Se a têm, ou de novo; o Purgatório entre o sol e a lua com muito sexo! Vai parcelar? Duas vezes no cartão. Foda três vezes pelo preço de uma! Então vou querer tudo a que tenho direito! Só não beijo na boca. De resto faz tudo! Apanhou sol demais! No rabo! A calça desce pela cintura. Tem marcas da cueca fio dental. Está sem ela. Só as marcas . Abdominais perfeitos. A cintura de vespa. Piranha. As piranhas não têm dentes. Só fio dental. As mamas de silicone. A voz andrógena. Como o rosto! Corpo perfeito. Perto do Paraíso! Ela. Ele. Estou escrevendo um livro sobre a Augusta. A rua mais brasileira do Brasil. Aqui é a esquina do mundo! E até Mary Jane não mora mais aqui! Você está perdido? Está fumando? Ela não! É mulher. E mulher vai mais longe! Ela grita, brinca, é mãe, amamenta, trata, acarinha, acolhe, embala, alimenta, acalma, compreende, ajuda, supera, agüenta! E você tem religião?
Saia amanhã na locadora! Pode comprar aqui que ainda não saiu no cinema. Sistema! Ah. Feito para ser corrompido! Sessenta e nove vezes. Em Ying e Yang. Preto. Branco. Negativo. Positivo! Você vê como este país está perdido? Como tem tudo para dar certo e está falhado. Banido!!! Alimenta o filho. Dá-lhe a mama! Põe-no para dormir. Enrosca-se ao lado. Cobre-se com os cobertores. Ao lado do caixote do lixo. Por baixo dos néons palpitantes. Itaú! Tanto dinheiro lá dentro. A mãe sem nenhum. "MAry Jane não mora mais aqui". Ela sim! A servir de passadeira nocturna para o banco. Sem pecado. Expiação. Culpa. Purgatório. Do lado da Consolação. Com muito Inferno. E depois do sexo!

2 comentários:

Anónimo disse...

Olá, sou Marco Plá, autor de "Mary Jane não mora mais aqui", espetáculo que fala sobre esse lugar mágico que você soube descrever muito bem. Nosso espetáculo estréia sábdo, dia 07 e você está convidada. 3868.2612 bj!

Vanessa Rodrigues disse...

Coincidência fantástica, Marco! Obrigada pelo convite. Estarei lá, certamente! Bj, Vanessa