sexta-feira, março 31, 2006

O universo de Pierre Verger

Por Pierre Verger, Salvador da Bahia, Janeiro de 1948

Se o olhar fosse a preto e branco. Sob o olho de uma Rolleiflex, Pierre Verger seria, talvez, um dos fotógrafos que mais contemplou pedaços da vida, da cultura e das tradições do mundo a duas cores. São mais de 62 mil negativos que a Fundação Pierre Verger reúne.
Actualmente está em itinerância uma exposição de 290 imagens do fotógrafo. 70% do material é mostrado, agora, pela primeira vez. Foi no Museu de Arte Moderna (MAM) de São Paulo que explorei esse universo de Verger, mas a mostra segue agora para o MAM do Rio de Janeiro (30 de maio - 16 de julho 2006); e depois para o MAM de Salvador (3 de agosto - 8 de novembro 2006).
Um viajante solitário que se tornou um marco na História da Fotografia do Brasil. Pierre Verger: francês, nómada, antropólogo, autodidacta. Este fotógrafo contemporâneo apaixonou-se pelo Brasil. Fixou-se na Bahia e durante anos dedicou-se a captar a forma antropológica das gentes. Mais: foi integrado no Candomblé* e foi, de resto, um dos principais responsáveis pela união dessa comunidade religiosa brasileira com a africana (separados por séculos).
* Uma das Religiões Afro-Brasileiras praticadas principalmente no Brasil mas também em países adjacentes como Uruguai, Argentina, e Venezuela.
A religião, que tem por base a "anima" (alma) da Natureza, sendo portanto chamada de anímica, foi desenvolvida no Brasil com o conhecimento dos sacerdotes africanos que foram escravizados e trazidos da África para o Brasil, juntamente com seus Orixás/Inquices/ Voduns, sua cultura, e seus dialetos, entre 1549 e 1888. (http://pt.wikipedia.org/wiki/Candomblé)

2 comentários:

Anónimo disse...

Fantásticas exposições que passam pelo Museu de Arte Moderna de São Paulo.Quando estive aí tive o previlégio de ver uma exposição com uns quantos pintores portugueses!Brilhante!
Pena é que não tinham nenhums postais com nenhumas obras!

Beijinhos
Joana@Kuopio

Divã d'Insónia disse...

Estás a ver o que te espera, portanto, quando nos vieres visitar...;)