sábado, julho 20, 2013

Sonhos de um Mundo Novo para os Não-Me-toquenses

 Não sei se "Formiga" fica perto de "Sonhos", junto a Ermesinde e passando pelo Conde Ferreira, mas certamente fica bem longe de "Mundo Novo". Esta terra onde os moradores devem andar sempre de cabeça-no-ar, seguidores dos Oneiros (irmãos de Hipnos) pressuponho, fica a 8860 quilómetros de Mundo Novo se for o de Mato Grosso do Sul, 6754 quilómetros se for na Baía, 7488 km se for o de Goiás, 7870 km se for o de Juiz de Fora. Sim, encontrei quatro terras brasileiras com esse nome. Pressuponho, quiçá, que Aldous Huxley se tenha aqui inspirado para o título do seu livro mais famoso: Admirável Mundo Novo.

O autocarro 703, no Porto, que se pode esperar na Cordoaria tem o destino final para Sonhos, mas não me parece possível que suas capacidades mágicas o levem além Atlântico. O que parece categórico, porém, é que Mundo Novo fica, inevitavelmente no Brasil.

Talvez seja por isso que muitos portugueses sempre se sentiram atraídos por terras brasileiras. Isso explicaria, por exemplo, por que razão diz a lenda que há uma terra no Rio Grande do Sul com o nome de "Não-me-Toque! que se deve (especulação número um) à façanha de um português. Parece que no século XIX ele terá dito a alguém: "Não me toques nessas terras!". Desde então o gentílico do povo da cidade é não-me-toquenses. Localiza-se a uma latitude 28º27'33" sul e a uma longitude  52º49'15" oeste. Está a uma altitude de 514 metros. Coisa pouca, dá para tocar, certo?, "nesse pedaço de pátria" onde "eu vejo pampa verdejante/ eu ouço o cavalo a galopar,  sinto o vento minuano cortando as colinas..." (ouve-se no vídeo institucional da cidade).

Em Tocantis, porém, a Lagoa da Confusão,  não há que enganar, já deve ter deixado muita família obnubilada, que hão-de, certamente, ter ido carpir suas "Angústias" para os lados de Paredes de Coura, ou mesmo, inspirados pela fé, feito o devido "Purgatório" (Albufeira).  Desconfio que o Jardim de Piranhas (Rio Grande do Norte), ter-se-à dado muito bem com Carne Assada (Terrugem, Sintra) e pouco com Aranhas (Penamacor). Passa-e-Fica (RN) estou na dúvida, amigaria com Gostei (Bragança)? Sabemos que pelo menos 11 519 habitantes que lá passaram, permaneceram. Não devem ter queixumes no livro de reclamações.

De qualquer modo Arco-Íris, em São Paulo, pelos vistos não tem mais de dois mil habitantes e não se entende porque há-de ser um lugar bonito para morar.  Mas a toponímia às vezes engana, ao contrário do algodão-Sonasol. Por exemplo, em Consolação, em São Paulo, não encontrei  lugar algum onde se pudesse repousar os afetos, e no Paraíso, lá no final Via Avenida Paulista, não encontrei nem Adão, nem Eva, nem a serpente, se bem que há uma frutaria com vários tipos de maçã. 

Acredito, pois, que a criatividade da atribuição dos nomes dos lugares esteja mais relacionada com algum acaso do quotidiano, do que com uma explicação metafísica extraordinária. Ela é mais ordinária quanto se pensa. E tem que ver com coisas como por exemplo, deixar o gato deitar-se no teclado do computador, originando nomes como Llanfairpwllgwyngyllgogerychwyrndrobwllllantysiliogogogoch .
Parece ou não parece obra de um gato preguiçoso do teclado? Mas, pasmem-se, não é engano não, é nome de um lugar, na ilha de Anglesey, no País de Gales e significa: "igreja de Santa Maria no fundão do aveleiro branco perto de um redemoinho rápido e da Igreja de São Tisílio da gruta vermelha". 

Assim de repente, se inventasse um nome de lugar, acho que chamaria o meu gato para dormir no teclado, mas a esta hora, sei-o, ele está longe (ou sou eu que estou), mas muito mais perto de Sonhos e de um Mundo Novo do que eu.


2 comentários:

HELA disse...

que saudades suas e das suas palavras! Bj Van!

Vanessa Rodrigues (vnrodrigues@gmail.com) disse...

Beijos querida. Que pena que não nos vimos!