terça-feira, maio 26, 2009

SOS palavras!

Ficar demasiado tempo com um texto em mãos é um exercício doloroso, de expiação de palavras desnecessárias e penitência. É aí que perdemos os filtros e nos concentramos nos vícios da nossa escrita, como um rasgo de cegueira condicionada. Perdemos a paciência e deixamos de ver onde, realmente, temos ainda de mudar. Tudo nos parece, já, dolorosamente mau e penoso para olhar novamente. Mas achamos que não está bom o suficiente. E talvez nunca venha a ficar. Problema o meu; e de quem perder tempo a ler-me. Escrever é, portanto, entenda-se, uma neurose insuperável que cria indeléveis e irreversíveis recalcamentos. Onde a terapia deveria sê-lo, percebemos, agora que a terapia precisa da terapia de si. Alguma sugestão para recuperação de costureiros-de-palavras-em-crise?

1 comentário:

Álvaro disse...

Deixa-te levar pela imaginação e não ligues aos dealhes.Diverte-te beijokas.
papi