quinta-feira, junho 14, 2007

Regressos

Vento; temporal; chuva; frio; geada; poeira; gravilha; ondas gigantes com possibilidade de maremoto; trepidação a roçar a vontade de terramoto; velocidade ilimitada de ventos sussurrantes na hipótese de furacão; sol tórrido; dores de estômago; dentes; sono; insónias; ansiedade; nervosismo... Podia ter sido! Não foi. Nada disto. Nem sequer perto. Regressar a SP foi uma brisa na ponte Dona Maria; ou no mar de Paraty. O lugar não importa. Só as pessoas! SP é aquilo que seria sempre que não seja: um ciclo de retorno para regressar e voltar ao que se é (se ainda não se foi; ou não se o é).
Aqui ou aí; cá ou lá. Só o pensamento não engana. Aproxima.
Agora sim, o que foi: uma rolha de champanhe que dispara; sorrisos estampados por inerência;e talvez uma réstia de solidão para me reconciliar com as ideias. Depois, a missão: um recomeço como oportunidade para cortar as amarras do que não foi e podia ter sido; do que não é e já foi. São regressos. Com a criatividade da pupila dilatada; e das insónias da criatividade.

2 comentários:

Anónimo disse...

Tb quero :(
snifff

Pachamama :)

Divã d'Insónia disse...

Estou à tua espera para a Patagónia! Ou aqui em SP, se quiseres..beijoquinhas