sexta-feira, julho 27, 2012

A Literatura, liberou geral



"Sou todo um harém matriarcal. Poliândrica, poligâmica, heterossexual, homossexual. Poliamor, portanto, para  simplificar. Sou uma democracia lato sensu neste tipo de relação. Porém, devo exercitar o mea culpa no seguinte: sou pouco tolerante com a superficialidade. É que relação, qualquer seja, tem que ter, na matemática do mínimo  denominador comum, um bom papo, risada, observação participante e até um q.b. de discordância para agregar  alguma coisa no outro. Seria um saco ficar concordando o tempo todo: sim, meu amor; desliga-você-não-você-você!
Logo, para mim, isto é termômetro de irascibilidade: frases-cliché, vaidades vãs, indiferenças. Me dá uma certa  urticária. Na hora de responder, viro uma fofa-blasé. E ser fofa-blasé é um problema, porque há algo em nós que  delata que, para não sermos totalmente desagradáveis, estamos meio que pisando palco com cadafalso. E se a vida  é um grande palanque, sabemos, então nossa máscara é molde personalizado para essa-ou-aquela pessoa, que mais  cedo ou mais tarde, há de desgastar."

Continuar a LER: Poliamor no blogue da editora brasileira Cosac Naify

3 comentários:

Sílvia M. disse...

Fantástico jogo de palavras, Vanessa. Como sempre!

ÁguaDiCoco disse...

Ah e concordo absolutamente com a definição de relação, seja ela amorosa ou de outro tipo qualquer, amizade, familiar, tem de ser intensa e de entrega, senão "não tem graça" e passa a ser "profissional" ou de outro qualquer tipo de interesse. É muito bom "ler-te", vou tentar passar mais vezes por cá ;)

Vanessa Rodrigues disse...

Olá querida Sílvia. Muito Obrigada pela tua mensagem. Beijo muito muito grande.